Iberê e a ciclovia

 Lívia Araújo

– Sou um andante. Carrego comigo o fardo do meu passado. Minha bagagem são os meus sonhos. Como meus ciclistas, cruzo desertos e busco horizontes que recuam e se apagam nas brumas da incerteza”.

Iberê Camargo, considerado o maior nome do expressionismo no Brasil (embora avesso a rótulos), passou anos vivendo no Rio de Janeiro e voltou a viver em Porto Alegre em 1980. “Os ciclistas”, ao lado dos carretéis, dos retratos e das idiotas, são uma das fases artísticas que marcaram sua carreira. A inspiração veio da observação aos freqüentadores do Parque Farroupilha, a famosa “Redenção”, perto de onde o pintor foi morar depois do regresso. Essas imagens foram companheiras do artista até sua morte.

Tudo isso para dizer que a nova sede da Fundação Iberê Camargo foi inaugurada na última sexta-feira, em Porto Alegre, já como um marco da arte no país, por ser o primeiro museu do Brasil a ter um prédio tecnicamente concebido para ser um museu. O prédio é fruto do talento do arquiteto português Álvaro Siza e, à parte as polêmicas que criou, é uma obra que torna inesquecível a vista da orla do Guaíba. De dentro para fora e vice-versa.

Para homenagear Iberê à altura, compondo um eixo turístico-ciclístico interessante, sugiro sairmos da Usina do Gasômetro, passar pelo estádio Beira-Rio e seguirmos até o impressionante prédio do Siza. (E não deixem de olhar por dentro!)

 Fábio Del Re

Anúncios

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: