Vento no Cabelo

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.

more about “Vento no Cabelo“, posted with vodpod

 

Vídeo que eu roubei do blog The City Fix

Anúncios

Bike-Delivery

Depois de Curitiba, agora é a vez de Porto Alegre inaugurar seu serviço de ‘bikeboys’. A matéria da Zero Hora de hoje traz informações sobre a empresa Bike-Entrega, que opera em 26 bairros próximos à região central da capital gaúcha e, de acordo com a distância, cobra de R$ 7,00 a R$ 14,00 pelo serviço. Vale a pena conferir a matéria.

Mas nem tudo, naturalmente, são flores. Os bike-entregadores, por pedalarem diariamente cerca de 140km (e eu reclamando dos 5km até o Centro de manhã!), reclamam do perigo e do desrespeito dos motoristas à distância obrigatória de 1,5m nas ultrapassagens (as ‘finas’ são constantes – será que eles não se dão conta de que 2 toneladas de metal podem provocar bastante estrago em um acidente?).

Use! O fone da Bike-Entrega é o 3332-0404.

Logística da respiração

Deu na Isto É Dinheiro dessa semana:

Enfim, uma idéia criativa para reduzir os engarrafamentos e a poluição do ar em São Paulo. Por meio do programa MelhorAr, a Beleive Comunicação e a Wise, da área de sistemas de informação, pretendem tirar de circulação um milhão de carros até 2011. Eles esperam conseguir tal façanha por meio do incentivo à carona solidária. Só que, em vez de mirar nos usuários, o projeto tem como foco as empresas. Funciona assim: a equipe do MelhorAr submete os funcionários da empresa interessada a um questionário para identificar o percurso de cada um deles. A partir daí, usa mecanismos eletrônicos, como GoogleMaps, para cruzar rotas e estabelecer os roteiros de carona. O serviço custa R$ 1 para cada trabalhador.

Gostei, juro. Mas quer outra idéia? Por que as empresas não incentivos que seus funcionários percorram distâncias pequenas de bicicleta? Disponibilizando instalações com chuveiros e bicicletários ou mesmo dando uma bicicleta de boa qualidade que o funcionário poderá comprar quando deixar a empresa ou mesmo devolvê-la? Existem países onde a prática já foi efetivada.

Fashion Bike

Twiggy, a modelo inglesa que envergou as minissaias de Mary Quant e os modelos futuristas de André Courrèges, se rendia vez em quando a outras griffes, como a Raleigh, fabricante inglesa de bicicletas. Já naquela época, cycle chic era via de regra, bem diriam os meninos de Copenhague.

Iniciativa Privada

Na coluna Bike (dentro do caderno Sobre Rodas) da Zero Hora, o jornalista Poti Campos conta que, daqueles 495km de rede cicloviária potencial da capital gaúcha, boa parte será feita pela iniciativa privada. Como, desde dezembro do ano passado, existe uma instrução que torna obrigatória a inclusão de ciclovias em ruas que sejam abertas ou alteradas por novos empreendimentos, já existem 15 licenças que prevêem a construção de vias exclusivas para a circulação das bikes.

Bão, né? A notícia completa você pode conferir aqui.

Descobriram a América

E a Lei Seca, que está ocasionando queda no faturamento de bares e restaurantes e dando um chega para lá no “direito” de escolha dos honestos cidadãos, er, cumpridores da lei, além de frustrar a turma da publicidade que percebeu que não vai adiantar muito produzir comercial com mulé goztoza (copy-right-or-left dele), produziu outro efeito: está diminuindo a ocorrência de acidentes. Em Porto Alegre, a diminuição foi de 25%. E, enquanto uns choram o faturamento perdido, outros sorriem com o novo nicho de mercado: taxistas levando os bebuns pra casa e restaurantes, como o português Calamares, que dão desconto nas birita caso o cliente apresente o recibinho do táxi ou inaugurando serviço de entrega de pudim de cachaça na casa da patrôa.

Quer beber? Ok! Só não volte pra casa no volante, abalroando tudo o que vê pela frente. 😉

Ou volte de bicicleta, onde a linha reta e silenciosa da volta pra casa se torna uma coisa muito relativa.

Eu não morri

E nem o site acabou. Só muitos afazeres me impedem de atualizar o blog.

Mas pra não passar batida a coisa legal das bikes na vida da pessoa, conto que, além de pedalar por aí (inclusive naquela cidade cheia de ladeiras, lombas e afins, que é Caxias do Sul), estou ouvindo isso aqui abaixo (dizer que estou ouvindo e colocar uma imagem é esquisito, mas enfim):