Primeira bicicletada jardinária

Funciona assim: cada um vem de bicicleta e traz o que pode, além de sua boa vontade: sementes e mudas, pás e ancinhos, bambus e ripas de madeira. Trocamos informações singelas: sementes de guapuruvu precisam raspadas para serem “ativadas”, estimulando uma germinação mais rápida; o guaco é trepadeira e pode crescer bem emaranhado em cerca ou portão; alfaces, rúculas e afins precisam ser constantemente regadas; as araucárias, rainhas, não podem ser cortadas. São protegidas, na condição de tesouro ameaçado (já que são tão poucas e majestosas nas serras da região Sul).

Em seguida, faz-se um pequeno levantamento dos lugares onde é necessário um pouco de verde – não é preciso levar um print do google maps, nem mesmo um papelzinho, pois todos os têm na cabeça: não é incomum notar canteiros pelados, plantas secas, lixo e ferrugem no lugar originalmente destinado a uma praça. Ali nos dirigimos, pedalando e carregando nossas ferramentas e mudas. Um se encarrega de afofar a terra; outro, de cavar. É surpreendente como, em meio a uma terra que parecia neutra, pode até surgir uma minhoca, um inseto passeador, um pinhão (Há vida ali? Por que ela não foi percebida antes?). Em seguida, transplanta-se a muda, prende-se uma estaca e está pronto.

Seguimos caminho por outros canteiros: outra muda no canto de um playground; uma trepadeira na base de um muro pichado; flores num barranco de viaduto. A essa altura, crianças já brincaram de terra conosco,  velhinhas já conversaram e falaram do tempo das flores, passado há muitas estações e revivido na esperança dos olhos atentos. A florista do Parque da Redenção redime a natureza e também nos dá vasinhos a serem transplantados, enchendo a cidade das cores que ela já tem mas que não costumamos ver quando estamos em nossos carros, apartados do mundo.

Fotos: Diego de Lima

4 Respostas

  1. Vou começar a anotar lugares que podiam receber plantio o/.

    Hoje eu vi na Silva Só uma daquelas grades pretas que a prefeitura botou com a desculpa de proteger os pedestres (todo mundo sabe que é só pra beneficiar os carros), mas essa tava em cima de um canteiro, numa grama. Imaginei ela toda coberta de trepadeiras, e achei bonito! Que tal algo assim pra próxima?

    Abraço!

  2. Por quê não?🙂 É só você nos dar a localização.😉

    • Silva Só, quase em frente ao posto (acho que é Ipiranga)! É uma grade pequena, mas ficaria legal cheio de trepadeiras!

      Pena que nas grades da Osvaldo Aranha não dá pra fazer isso, porque é só concreto😦

  3. Lívia querida, AMEI essa ideia!!! muito criativa, divertida, útil, tudo de bom!!! vou reproduzir seu post em vários dos meus canais! beijos saudosos

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: