Indústria brasileira

Estou inaugurando uma nova categoria de links no Bike Drops (na coluna da esquerda), de fabricantes de bicicletas. Tirando KHS e Dahon, todas as demais são indústrias nacionais, incluindo desde as maiores, como Caloi e Sundown (já foi a Monark, que anda sumida na poeira), até algumas que eu nem conhecia. Não são todas que estão ali. Imagino que, tal como a Ciclo, que é do interior do Rio Grande do Sul, deve haver outras com abrangência regional. O que é muito legal e muito provavelmente reflete as demandas de mercado. Em muitas cidades do interior do Brasil a bicicleta é o meio de transporte por excelência.

A ênfase da nova lista de blogs vai para indústrias que fabricam bicicletas de uso urbano (“potis” e “barras-forte”, beach e mountain-bikes). Quem souber de alguma que fabrique esses modelos e não esteja na lista, pode dizer. Contribuições são SUPER bem vindas. 🙂

O Brasil não esqueceu da Caloi

A Edição de hoje da Gazeta Mercantil traz na capa o empresário Eduardo Musa, atual presidente da nossa tradicional Caloi, que projeta para até o fim de 2008 um crescimento de 15% para o segmento de bicicletas, que representa 70% do negócio da Caloi (que produz também produtos para fitness).

A matéria tem dados interessantes sobre o mercado de bicicletas no Brasil: 

Em 2007, o país fabricou cerca de 5,4 milhões de bicicletas, volume 8% superior a 2006. O setor tem uma expectativa de 5% de crescimento para 2008, chegando a 5,6 milhões de unidades produzidas. Dessa produção, a maior parte é destinada ao consumo interno.

A frota brasileira é de 65 milhões de bicicletas, concentradas principalmente na região Sudeste (44%), seguidas pelo Nordeste (26%), Sul (14%), Centro-Oeste (8%) e Norte (8%).

No mundo, a produção anual é de mais de 120 milhões de unidades, liderada pela China. A India vem em segundo lugar e o Brasil vem em terceiro.

Em 2005, a China produziu 80 milhões de bicicletas e a India, 12 milhões.

Quem está acostumado à vida motorizada nas grandes cidades, não se dá conta de que, nas pequenas, o transporte é feito nas magrelinhas. O trabalho no campo, a ida para a escola e outras atividades cotidianas são ligadas de um ponto a outro pelo pedal. Esse pessoal tem MUITO a nos ensinar. E vida longa à “minha Caloi”.